O conde de Monte Cristo - Alexandre Dumas | Resenha


Resultado de imagem para o conde de monte cristo livro
O futuro do jovem marinheiro Edmond Dantés parecia promissor: fora nomeado capitão do navio Faraó e estava prestes a se casar com a sua noiva Mercedes.

No entanto, a conspiração de três inimigos invejosos ocasionou sua prisão por quinze anos e seu destino mudou completamente.

O que ninguém esperava era que ele conseguiria sair da prisão, com uma sede de vingança que não pouparia nenhum dos responsáveis pela sua tragédia.







Editora Scipione | 144 páginas | Skoob




O jovem Edmond Dantés acabava de ser promovido a capitão do navio Faraó e estava prestes a se casar com a mulher amada quando uma batida em sua porta mudou completamente seu destino.

Após ser traído por 3 homens que julgava serem ao menos de confiança, Edmond foi injustamente condenado à prisão perpétua em um lugar tão terrível que o único jeito de conquistar a liberdade era a morte. 

Milagrosamente, o rapaz consegue fugir do terrível Castelo de If, herdando uma grande fortuna e sedento por vingança contra aqueles que o puseram naquele lugar.


Inicialmente, só quis ler esse livro pois estava lá largado na estante e também porque está na lista de 1001 livros para ler antes de morrer, mas fui muito bem surpreendida com essa leitura, mesmo sendo uma versão adaptada.

O livro se passa nos anos de 1820, na França, logo após o golpe de Napoleão, enquanto ele ainda está preso. Sob ordens de seu capitão, o marinheiro Edmond Dantés transporta um pacote até Napoleão e traz consigo uma carta do mesmo para um de seus apoiadores. Mas mal sabia o rapaz que esta o levaria à sua perdição. 

Após descobrir a existência da carta, três homens que invejavam coisas de Edmond o sabotaram e o entregaram à guarda real de Luís XVIII, que considerava qualquer apoio à Napoleão traição. 

Nessa parte, surge o personagem que mais odiei nessa história, o senhor Villefort. Este senhor era o procurador do rei que, por acaso, era filho do destinatário da carta de Napoleão trazida por Edmond. Para que sua carreira não fosse arruinada, esse homem cruel e egoísta condenou Dantés a prisão perpétua e classificou-o como criminoso de alto risco.

Graças a um amigo que o marinheiro fez na prisão, o rapaz conseguiu fugir do tão temido Castelo de If após ficar trancafiado por 15 anos. Esse mesmo amigo confiou a Edmond sua fortuna, até então escondida na ilha de Monte Cristo. Para poder seguir com sua vingança, o rapaz utilizou sua fortuna para disfarçar-se e levou cada um dos quatro homens (Fernand, Caderousse, Danglars e Villefort) à sua perdição.

Para dizer a verdade, eu imaginava que, no final, aprenderíamos uma lição de moral sobre como vingança é ruim ou como não devemos guardar rancor de ninguém, mas nada disso aconteceu. Na verdade, o final ficou bem em aberto, pois não sabemos o que acontece com o conde de Monte Cristo e nem o que ele decide fazer depois de concluir sua vingança.

Uma coisa que achei bem interessante é que todos os personagens se interligam de alguma maneira. Além disso, durante o plano de Dantés, vamos descobrindo mais sobre os quatro canalhas e também segredos que eles mantinham guardados. Esses fatos trouxeram umas plot twists bem interessantes para a história, além de um arzinho de mistério. Também acho que por causa desses acontecimentos e revelações somados aos inúmeros disfarces do conde e aos muitos personagens tornou a história confusa, mas no final tudo é explicado e esclarecido.

Descobri recentemente que exite um filme baseado na história, então vou assisti-lo para tentar entender o que ainda ficou meio embolado na minha cabeça; também pretendo ler a versão original desse livro assim que eu puder. 




Um beijo,
Aninha




2 comentários:

  1. Oi Aninha, gostei bastante da resenha, mesmo que eu tenha acabado de descobrir que esse livro existe kkk, não sei se faz muito o meu estilo mas nunca se sabe né? Beijos!

    https://escrevendoerabiscando.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Rebeca! Experimenta, vai que você gosta! Eu gostei bastante do livro, além de ser bem curtinho, dá para ler bem rápido.

      Excluir